Fontes Alternativas de Água

Reuso de Água Condensada de Condicionadores de Ar
23 de setembro de 2016
Glóbulos Vermelhos
Filtro de Carvão Ativado (Hemodiálise)
25 de fevereiro de 2017
fontes alternativas de água

fontes alternativas de água

Dificuldade do Texto: Baixa

A crise hídrica, que ocorreu entre os anos de 2014 e 2016 no Estado de São Paulo, acendeu a luz vermelha no que tange ao abastecimento de água potável do Brasil. Isto fez com que o tema passasse a ser prioridade em praticamente todos os meios de comunicação nacional. Assim, a procura por fontes alternativas de água tem se tornado frequente e essencial para indústrias e residências.

As explicações para este evento foram principalmente a diminuição das chuvas daquele período e a ocupação de mananciais. Não bastasse a presença de períodos de seca, comuns em qualquer região do mundo, dois outros fatores corroboram para afetar o abastecimento de água:

  1. O Brasil desperdiça muita água tratada;
  2. Não trata o seu esgoto, tendo como consequência rios poluídos, fator que pode impossibilitar a coleta de água destas fontes a fim de torná-la potável.

De acordo com os Indicadores de Desenvolvimento Sustentável do IBGE, os dois rios mais poluídos do Brasil são o Tietê, que corta a região metropolitana de São Paulo e o Iguaçu, que corta a região metropolitana de Curitiba. Dos dez rios mais poluídos do Brasil, três estão na região metropolitana de Porto Alegre e dois em Recife. Todas estas regiões tem a alta concentração populacional em comum. Isto exige uma reserva de água elevada para abastecer a região. Rios contaminados tendem a dificultar o abastecimento local.

O fato acima relatado é reflexo da falta de preocupação que a população tem em relação ao destino de seu esgoto. No Brasil, somente 36% da população das 100 maiores cidades tem o seu esgoto tratado1. Para deixar a situação ainda mais crítica, o pouco tratamento realizado nem sempre é eficaz. Em muitos casos o efluente recebe apenas o tratamento primário, que permite a liberação de elevadas concentrações de contaminantes nos rios.

Para complementar o cenário pouco animador, o Sistema Nacional de Informação sobre o Saneamento (SNIS), através do Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgoto de 2014, apresenta que o Brasil perde em média 39% da água tratada (potável). Assim, de 100L de água tratada, 61L chegam ao consumidor final e 39L são jogados fora. No Norte do Brasil este número é muito maior, chegando a 60% de perda de toda a água tratada. Já o Sul, no outro extremo, perde 34%, porém um valor ainda muito elevado quando comparado internacionalmente.

Pode um País no Deserto Resolver a Escassez de Água no Mundo? Israel nos mostra que sim.

O Brasil vem apresentando melhorias, porém as mudanças ocorrem lentamente. Por outro lado, a urbanização das cidades e a demanda por água tratada vêm apresentando aumentos em ritmos mais acelerados. O IBGE apresenta que em 2010 cerca de 84% da população brasileira viviam em áreas urbanas. Superior aos 82% dos Estados Unidos, indicado pelo World Fact Book da CIA.

A urbanização do Brasil trouxe alguns problemas, como o abastecimento de água potável, que pode ser prejudicada quando a disponibilidade hídrica da região é muito baixa. A ONU considera como “correta” uma disponibilidade hídrica acima de 2.500 m³/habitante/ano. “Pobre” uma disponibilidade hídrica entre 1.500 e 2.500 m³/habitante/ano. “Crítica” uma disponibilidade hídrica abaixo de 1.500 m³/habitante/ano. A título de exemplo, a Bacia do Alto Tietê provê menos do que 1/10 do considerado “Correto”, ou somente 200 m³/habitante/ano.

A instabilidade no fornecimento de água, atrelada à elevação dos custos da mesma vem gerando uma nova necessidade: a procura por fontes alternativas de água. Abaixo listamos as mais comuns:

FonteDefiniçãoUsos Mais ComunsRequisitosPrós e Contras
Captação de água de chuvaÁgua de chuva captada dos telhados de imóveis.Uso não potável: Utilizada para limpezas, descargas e irrigação.
Uso potável: Utilizada para alimentar toda residência, comércio ou indústrial.
Uso não potável: Cisterna adequada, remoção de materiais particulados maiores e cloração da água.
Uso potável: Cisterna adequada, descarga da primeira água, remoção de COVs, remoção de contaminações microbiológicas, cloração e análises frequentes.
+ Reduz a demanda por água potável.
+ Possui baixas concentrações de sais.
+ Possui baixas concentrações de contaminantes - fácil de tratar.
+ Baixo consumo de energia.
+ Baixo consumo de químicos.
- Exige análises de acompanhamento da qualidade.
Captação de água pluvialÁgua de chuva captada de redes pluviais após ter contato com o solo.Uso não potável: Utilizada para limpezas, descargas e irrigação.Cisterna adequada, remoção de materiais particulados maiores, remoção de óleos e cloração da água.+ Reduz a demanda por água potável.
+ Possui baixas concentrações de sais.
+ Possui baixas concentrações de contaminantes - fácil de tratar.
+ Baixo consumo de energia.
+ Baixo consumo de químicos.
- Exige análises de acompanhamento da qualidade.
- Não recomendado a potabilização sem um tratamento avançado.
Água de poçoÁgua captada através da perfuração do solo com ou sem auxílio de uma bomba.Uso potável: Utilizada para alimentar toda residência, comércio ou indústrial.Autorização do órgão ambiental local, análise para detectar possíveis contaminantes e cloração da água.+ Reduz a demanda por água potável.
+ Possui baixas concentrações de sais.
+ Baixo consumo de químicos.
- Exige análises de acompanhamento da qualidade.
- Pode apresentar elevadas concentrações de contaminantes indesejados.
Água de lençol freático rasoÁgua captada de condomínios que passaram por rebaixamento intenso do solo, atingindo o lençol freático.Uso não potável: Utilizada para limpezas, descargas e irrigação.Cisterna adequada, remoção de materiais particulados maiores, remoção de óleos e cloração da água.+ Reduz a demanda por água potável.
+ Possui baixas concentrações de sais.
+ Possui baixas concentrações de contaminantes - fácil de tratar.
+ Baixo consumo de energia.
+ Baixo consumo de químicos.
- Exige análises de acompanhamento da qualidade.
- Não recomendado a potabilização sem um tratamento avançado.
Reuso de água cinzaÁgua coletada de parte do efluente residencial ou comercial.Uso não potável: Utilizada para limpezas, descargas e irrigação.Cisterna adequada, remoção de materiais particulados maiores, remoção de matéria orgânica e outros contaminantes presentes em menor quantidade e cloração.+ Reduz a demanda por água potável.
+ Possui baixas concentrações de sais.
+ Baixo consumo de energia.
+ Baixo consumo de químicos.
- Exige análises de acompanhamento da qualidade.
- Não recomendado a potabilização sem um tratamento avançado.
- Se não tratado adequadamente pode dar cheiro desagradável.
Captação de água de condensaçãoÁgua de chuva captada dos telhados de imóveis.Uso não potável: Utilizada para limpezas, descargas e irrigação.
Uso não potável: Cisterna adequada, remoção de materiais particulados maiores e cloração da água.
+ Reduz a demanda por água potável.
+ Possui baixas concentrações de sais.
+ Possui baixas concentrações de contaminantes - fácil de tratar.
+ Baixo consumo de energia.
+ Baixo consumo de químicos.
+ Possui baixa temperatura.
- Exige análises de acompanhamento da qualidade.
Reuso de efluente doméstico (escala comercial)Água coletada de parte do efluente residencial ou comercial.Uso não potável: Utilizada para limpezas, descargas, irrigação e processos industriais.Cisterna adequada, remoção de materiais particulados maiores, remoção de matéria orgânica e outros contaminantes presentes em menor quantidade e cloração.+ Reduz a demanda por água potável.
+ Possui baixas concentrações de sais.
- Exige análises de acompanhamento da qualidade.
- Não recomendado a potabilização sem um tratamento avançado.
Reuso de efluente doméstico (escala municipal)Água coletada de parte do efluente residencial ou comercial.Uso não potável: Utilizada para limpezas, descargas, irrigação e processos industriais.Cisterna adequada, remoção de materiais particulados maiores, remoção de matéria orgânica e outros contaminantes presentes em menor quantidade e cloração.+ Reduz a demanda por água potável.
+ Possui baixas concentrações de sais.
- Exige análises de acompanhamento da qualidade.
- Não recomendado a potabilização sem um tratamento avançado.
Reuso de efluente industrialÁgua coletada de parte do efluente industrial.Uso não potável: Utilizada para processos industriais.Efluente deve ser previamente analisado e posteriormente tratado em escala piloto.+ Reduz a demanda por água potável.
- Exige análises de acompanhamento da qualidade.
- Não recomendado a potabilização.
- Elevado consumo de energia.
Reuso de descarga de equipamentos industriaisÁgua coletada de parte do efluente industrial.Uso não potável: Utilizada para processos industriais.Efluente deve ser previamente analisado e posteriormente tratado em escala piloto.+ Reduz a demanda por água potável.
- Exige análises de acompanhamento da qualidade.
- Não recomendado a potabilização.
Dessalinização de água do marÁgua coletada do oceano.Uso potável: Utilizada para alimentar toda residência, comércio ou indústrial.Uso não potável: Cisterna adequada, remoção de materiais particulados maiores, de óleos e de sais para posterior cloração da água.+ Reduz a demanda por água doce.
+ Recurso abundante.
- Consumo elevado de energia.

  1. Em cidades menores o cenário é ainda pior.

Compartilhe

Os comentários estão encerrados.